Sejam bem-vindos(as) e sintam-se convidados(as) a participar do blog Filósofo dos Livros com sugestões, comentários, críticas, dúvidas, compartilhamentos ou só com um “oizinho” de vez em quando!

segunda-feira, 17 de julho de 2017

"Sem Amor, só a lou(cura)", de Pablo Madeira, Dalle Piagge Editora


Olá, Galera!!!
Conclui mais uma leitura e venho compartilhar com vocês. O livro se chama Sem amor, só a lou(cura) e foi escrito pelo autor brasileiro Pablo Madeira.
Ao visualizar essa linda capa colorida, imaginava que se tratavam de crônicas alegres e fofas. A capa me lembrou a famosa cena do filme Dançando na chuva. Porém, ao ler os textos, percebi o quanto estava enganado. 
Com poucas exceções, o livro tem um clima de tristeza e melancolia, mas não pensem que isso seja um defeito. Sem amor, só a lou(cura) é um livro curto que nos faz pensar sobre as questões mais tristes e profundas da existência humana. Muitas vezes, temos medo de encarar os fantasmas que nos assombram e procuramos enterrá-los em nosso subconsciente. Pablo Madeira com sua escrita magistral traz a tona esses fantasmas e nos leva a pensar melhor sobre eles.
Apesar das poucas páginas, não recomendo que se faça uma leitura apressada. Penso que o leitor deve ler lentamente cada crônica e pausar para encarar seus medos de frente ou refletir sobre os pavores alheios. Nesse jogo de reflexão, o leitor conhece a si mesmo e entende melhor o seu próximo.
A escrita de Pablo nos engana com seu toque de suavidade, porque a verdade é que os temas não são nada leves. Diria que há mais loucura que amor; entretanto se soubermos meditar da maneira certa poderemos entrar no processo de cura. Talvez, a melhor definição para essa obra seria livro terapêutico. As palavras aparentemente leves quebram nossas resistências e nos faz pensar em novos caminhos de construção do ser. 
A obra traz 19 crônicas. Eu gostei de todas, mas dou destaque a duas: 
- Depois das Seis - Nessa crônica, o autor fala sobre infância, adolescência, idade adulta englobando os desafios do amadurecimento humano;
- A resposta - O texto é escrito em forma de carta. Eu me identifiquei com as palavras ali expostas. Pareceu-me que ele descrevia uma fase de minha vida onde entrei em depressão.
Sem Amor, só a lou(cura) é o segundo livro que li desse autor (Confira a resenha do primeiro, clicando aqui). A obra comprova o seu grande talento e quanto ele conhece da natureza humana. Mais um livro classificado com CINCO ESTRELAS no Skoob e que eu recomendo a todos os seguidores do Blog e Canal Filósofo dos Livros.
Abraços e até a próxima postagem.

2 comentários:

  1. Amei a resenha! Obrigado pelas palavras. Fico feliz que tenha gostado tanto ❤

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado pela sua presença. Sinto-me honrado em ter o autor aqui.

      Excluir

Seu comentário é importante para mim.
Deixe sua opinião, pois vou amar saber o que você pensa!